O UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas) encomendou um relatório sobre o estado da assistência ao parto no mundo. Até 30 organizações diferentes - incluindo -OMS - elaboraram pesquisas em 58 países que reúnem, com menos de 60% dos nascimentos no mundo, nada menos que 91% das mortes maternas. O objetivo e a conclusão é lembrar aos estados que devem investir na melhoria das habilidades das parteiras, a fim de tentar reduzir a alta porcentagem ainda existente de mortalidade materna e infantil e impedir a proliferação da AIDS nos países mais pobres. .

Pelo menos seis parteiras por mil nascimentos são necessárias para cobrir as necessidades das mulheres grávidas em um país e evitar grandes complicações

Os dados são sem esperança: anualmente, mais de 350.000 mães e mais de três milhões e meio de recém-nascidos morrem de complicações durante a gravidez, parto ou pós-parto que poderiam ser evitadas. A maioria dessas mortes ocorre em países menos desenvolvidos, onde as mulheres, sem recursos ou socialmente marginalizadas, não têm acesso a serviços de saúde ou atendimento especializado, como parteiras ou pessoal similar.

O relatório tem um impacto especial na melhoria do acesso às parteiras e no aumento da qualidade de seus serviços, uma vez que esse tipo de profissionais pode não apenas oferecer seu conhecimento especializado nessas comunidades, mas também conectar as parturientes com os serviços. de emergências em obstetrícia, se precisassem.

Além disso, fornece um número: seis parteiras por mil nascimentos, como o mínimo necessário para cobrir as necessidades das mulheres grávidas e evitar essas complicações. Em pelo menos 38 países, a maioria deles africanos, precisariam multiplicar o número de parteiras que oficiam em seus centros.

Fonte: EUROPA PRESS

Japanese Style Originator T01:32 (Mulheres Japonesas) (Legendado: Português/Inglês) (Setembro 2019).