Adiamento (ou procrastinação) é o ato de "deixar as coisas para o amanhã". Quando essa atitude é repetida com muita freqüência em nossas vidas, é um limite importante para alcançar nossos objetivos, tanto banais (por exemplo, um hobby) quanto importantes (alguns exemplos: fazer tarefas diárias de trabalho, estudar para um exame ou decidir comprar um carro).

Adiar é um engano para nós mesmos que pode se transformar em uma agressão, uma vez que realizamos medidas para alcançar as coisas que tanto desejamos e com as quais sonhamos. Tudo isso pode levar à perda de confiança e dúvidas sobre as próprias habilidades.

Consequências do adiamento

Além do falso alívio que pode nos gerar a princípio, adiar interminavelmente implica um grande desgaste que, à medida que a situação progride, pode gerar emoções negativas em você, como culpa, angústia, frustração e até depressão.

Essa emocionalidade negativa é combinada com problemas de desempenho que podem levar a repercussões sociais, trabalhistas e familiares. Portanto, o adiamento pode causar um alto nível de interferência em nossas vidas diárias.

Geralmente, tendemos mais a adiar as coisas que nós mesmos dizemos que queremos fazer, do que aquelas que outras pessoas nos mandam fazer. O medo da avaliação negativa que outras pessoas podem fazer de nós mesmos é uma das explicações para esse fato.

Lula diz que não aceita o adiamento de seu pedido de habeas corpus (Outubro 2019).