Pesquisadores do Instituto de Medicina Molecular de Leeds (Reino Unido) observaram que, no pacientes com câncer de pele que têm altos níveis de vitamina D, as lesões causadas pelo melanoma são mais finas e têm menos gravidade, por isso apresentam menor taxa de recidiva da doença.

Os pesquisadores chegaram a essa conclusão depois de conduzir um estudo envolvendo 872 pessoas com melanoma, e no qual encontraram a associação entre seus níveis de vitamina D e a gravidade de suas lesões e a probabilidade de sofrer qualquer recaída.

A pesquisa mostrou que a deficiência de vitamina D está diretamente relacionada ao aparecimento de doenças cardíacas, menor densidade óssea e pior estado geral de saúde.

A doutora Julia A. Newton-Bishop, uma das autoras do estudo, explica que a carência de vitamina D favorece o desenvolvimento de tumores de melanoma, que é o tipo de câncer de pele mais agressivo e com a maior taxa de mortalidade.

A maioria dos cânceres de pele ocorre em pessoas de pele clara e idade avançada, aparecendo nas partes do corpo mais expostas à luz solar, tais como: face, pescoço, mãos e braços. Pessoas com sistema imunológico enfraquecido também são mais suscetíveis a isso.

Autor da Própria Saúde - Limão (parte1) [diabetes, hipertensão, câncer, colesterol, gastrite] (Setembro 2019).