O cirurgia por laparoscopia, menos invasivo e agressivo que o tradicional, permite implantar o marcapasso gástrico, um aparelho que é fixado no estômago e funciona enviando sinais ao paciente para evitar ter apetite quando não é hora de comer, e gradualmente corrigir seus hábitos alimentares.

Durante a operação, dois eletrodos são colocados na parede do estômago e conectados ao marcapasso, localizado na pele do paciente. Um dos eletrodos é um sensor capaz de detectar a ingestão de alimentos e enviar essa informação ao marcapasso, que, se não for o horário da refeição preestabelecido, envia um sinal que faz com que o paciente fique cheio. Os especialistas explicam que se trata de regular o comportamento alimentar dos pacientes, para que eles comam apenas nos momentos adequados e não se misturem entre as refeições, o que os ajuda a perder peso.

Os pacientes que foram submetidos a este procedimento até agora, que têm um risco muito menor de morbidade e mortalidade do que outros tipos de cirurgia bariátrica, tiveram uma resposta positiva ao tratamento

Esta nova técnica para corrigir a obesidade mórbida, considerada o mais recente avanço cirurgia bariátrica, começou a ser usado no hospital Virgen del Rocío, em Sevilha, no final do ano passado. Os pacientes que foram submetidos a esse procedimento até agora, que têm um risco muito menor de morbidade e mortalidade do que outros tipos de cirurgia bariátrica, tiveram uma resposta positiva ao tratamento, com uma perda de peso semelhante à obtida com outros pacientes. técnicas mais agressivas. No entanto, não é indicado para todos os pacientes, pois depende de sua forma habitual de alimentação, sendo necessário verificar previamente que o estômago responde aos estímulos enviados pelos eletrodos que fazem parte do tratamento.

O marca-passo gástrico ainda está em fase de testes clínicos internacionais e seus resultados devem ser verificados em períodos mais longos após a operação, mas na opinião de especialistas, cerca da metade dos pacientes que sofrem de obesidade mórbida pode se beneficiar desta nova técnica quando sua eficácia e segurança a longo prazo são finalmente determinadas.

MUITO ALÉM DO PESO - OFICIAL (Outubro 2019).