Uma pesquisa recente do Hospital de Massachussets (EUA) poderia abrir novos caminhos no tratamento do tumor cerebral mais comum entre as crianças. O estudo, publicado na revista científica Cell, alcançou a identificação da molécula responsável pelo desenvolvimento e expansão do meduloblastoma, um tumor originado no cerebelo e tipo maligno.

A chave para a pesquisa, que no momento só foi testada em camundongos, foi precisamente a obstrução dessa via através de anticorpos para prevenir o fator de crescimento placentário (PIGF) das células tumorais no tecido da maior parte. cerebelo central em que se originam. Os resultados permitiram a regressão dos quatro subtipos de meduloblastoma em animais, por isso acredita-se que poderia envolver uma nova abordagem terapêutica contra um tipo de câncer que constitui um quinto dos tumores cerebrais pediátricos.

Bloquear as vias de crescimento embrionário do meduloblastoma através de anticorpos causaria menos efeitos colaterais em pacientes

Atualmente, o tratamento contra o meduloblastoma requer terapia agressiva baseada em cirurgia, radioterapia crânio-espinhal, derivação ventrículo-peritoneal e, em menor escala, quimioterapia, portanto o objetivo é alcançar uma nova via de tratamento baseada em anticorpos. "Nossa conclusão é que uma via de sinal transportando células hospedeiras para células tumorais através de um PIGF é crítica para o crescimento de meduloblastoma, então a avaliação de anticorpos contra estas proteínas é apresentada como uma abordagem nova e mais eficaz. com menos efeitos colaterais ", explica Rakesh Jain, chefe deste estudo.

Esse tumor intracraniano maligno é formado por células embrionárias e tem uma grande tendência a se espalhar pelo sistema nervoso central e afetar as meninges. É 10 vezes mais comum em crianças do que em adultos e seu tratamento agressivo, enquanto melhora a sobrevida, pode ter efeitos colaterais importantes no desenvolvimento neurológico de longo prazo do paciente.

Thomas Seyfried, PhD Cancer as a Mitochondrial Metabolic Disease - LEGENDADO PORTUGUÊS-BR (Outubro 2019).