Uma equipe de cientistas dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos e do Centro de Pesquisa e Clínica Ernest Gallo da Universidade da Califórnia, em São Francisco, conseguiu curar o vício da doença. cocaína em ratos usando um laser para ativar uma região do cérebro, o córtex pré-frontal, que intervém no controle de impulsos e na tomada de decisões.

Os pesquisadores usaram um modelo animal que reproduz o tipo de dependência compulsiva que leva os humanos a usar drogas como a cocaína. Nos estudos eletrofisiológicos que foram realizados nos ratos viciados, verificou-se que o córtex pré-frontal desses animais mostrou uma atividade extremamente baixa.

O estudo mostrou que a alteração da atividade do córtex pré-frontal desempenha um papel fundamental no vício compulsivo à cocaína

A fim de verificar se as mudanças na atividade desta área do cérebro afetaram o vício, elas inseriram proteínas sensíveis à luz - rodopsinas - nos neurônios do córtex pré-frontal dos ratos, e depois usaram um laser para iluminar e desligue as células nervosas.

Eles observaram que, quando as células eram ativadas, o comportamento compulsivo dos animais era corrigido e, quando eram desligados, os animais não viciados desenvolviam um comportamento aditivo. O estudo mostrou, portanto, que o córtex pré-frontal desempenha um papel fundamental na dependência compulsiva de cocaína.

Diante desses resultados, os autores da pesquisa propõem uma nova terapia para tratar a dependência de cocaína em humanos, a qual seria baseada Estimulação Magnética Transcraniana (TMS) - que já foi usado no tratamento da depressão - e que usa um campo eletromagnético externo ao cérebro, com o objetivo de estimular o córtex pré-frontal a tentar restaurar a atividade nessa área do cérebro e suprimir o comportamento aditivo do paciente.

#26 - UMA MISTURA FATAL - (Cocaína, Álcool e Energético!) (Setembro 2019).