Pesquisadores do Serviço de Doenças Infecciosas e AIDS do Hospital Clínico de Barcelona desenvolveram uma nova vacina, no âmbito do programa HIVACAT, capaz de controlar a Vírus da AIDS (HIV) durante um tempo.

Os resultados dos testes realizados com este vacina, que foram publicados em 'Science Translational Medicine' são uma nova maneira de continuar a pesquisa com o objetivo de encontrar um tratamento para a AIDS que substitua a atual anti-retroviral e que pode controlar a replicação do HIV indefinidamente.

A vacina foi testada em 36 pacientes que estavam em tratamento com terapia anti-retroviral (TAR), e demonstrou eficácia em 95% desses pacientes, nos quais a carga viral diminuiu mais de três vezes, o que não é produzido no grupo de pacientes que receberam placebo.

A vacina, embora não possa erradicar o HIV, tem sido eficaz em 95% dos pacientes tratados, diminuindo mais de três vezes a carga viral

Os autores da pesquisa usaram células dendríticas das infectadas e as contaminaram com uma parte do vírus do mesmo paciente que havia sido inativado em laboratório anteriormente. Posteriormente, as células contaminadas foram inoculadas ao paciente, e agiram alertando seu sistema imune para a presença do HIV e desencadeando a resposta imune correspondente do organismo.

A vacina, no entanto, não cura a AIDS, já que seus efeitos começam a diminuir doze semanas após sua aplicação, e desaparecem definitivamente um ano depois. Isso ocorre porque o HIV se torna resistente aos medicamentos anti-retrovirais ao longo do tempo e reaparece gradualmente no corpo do paciente.

Portanto, essa vacina não será comercializada nem pretende substituí-la por ARV, mas representa um grande avanço na busca de alternativas à terapia antiretroviral que atualmente trata pacientes com AIDS, pois, ao melhorá-la, o controle poderia ser alcançado. HIV eficaz por um longo tempo, mesmo durante toda a vida do paciente, sem a necessidade de tratamento.

Uso de medicamentos no controle do HIV | Drauzio Comenta #64 (Setembro 2019).