Uma menina recém-nascida foi curada da AIDS que ela sofreu por meio de um coquetel agressivo de drogas padrão administradas dentro de poucas horas após o nascimento. É o primeiro caso no mundo de um tratamento deste tipo fornecido após o parto cujo resultado foi bem sucedido.

A descoberta foi revelada na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas, realizada em Atlanta (EUA) e tem sido um marco, ao abrir novas diretrizes para o tratamento de crianças com HIV. A paciente, nascida no estado norte-americano de Mississippi, foi tratada dentro de 30 horas após o parto, porque sua mãe não sabia durante a gravidez que estava portando o vírus.

Esta é a primeira vez que o sistema imunológico de um recém-nascido respondeu satisfatoriamente aos testes retrovirais e os níveis diminuíram progressivamente até se tornarem indetectáveis.

A equipe médica do Centro Médico da Universidade do Mississippi, em Jackson, responsável pelo tratamento, com a Dra. Hannah Gay no comando, apoia a teoria de que o uso precoce dessa combinação de drogas não é geralmente administrado tão cedo devido à imaturidade do sistema. imune a estes pequenos contribuiu para o sucesso do tratamento, uma vez que atacou as células que são conhecidas como reservatórios virais, que estão inativos e longe do alcance de drogas comuns.

É a primeira vez que o sistema imunológico de um recém-nascido responde satisfatoriamente aos testes retrovirais imediatamente após o nascimento e os níveis diminuem progressivamente até se tornarem indetectáveis, um mês após o nascimento. O tratamento continuou por 18 meses, após o qual nenhum vestígio de HIV foi encontrado nos exames de sangue. Após um estudo no DNA do vírus, concluiu-se que estava integrado no material genético do bebê.

O caso abre novos caminhos para o tratamento da AIDS em crianças e a substituição de programas mais caros pelo uso de drogas mais acessíveis. No entanto, os pesquisadores acreditam que mais testes ainda serão necessários para aplicar esses resultados em outros pacientes.

O ataque silencioso dos fungos (Setembro 2019).