Vários estudos revelaram que o zinco é essencial para combater o estresse oxidativo e contribui para reparar os danos sofridos pelo DNA. É um micronutriente que é obtido através da dieta, necessária para que várias funções do organismo se desenvolvam corretamente, como a divisão e o crescimento das células, e é especialmente útil para o sistema imunológico.

Agora, uma nova pesquisa, conduzida nos Estados Unidos por cientistas da Oregon State University, mostrou que com o envelhecimento diminui nossa capacidade de absorver zinco ingerido com a dieta, e que essa deficiência de zinco causa uma deterioração do sistema imunológico, e pode levar a inflamação sistêmica.

Os pesquisadores observaram que os animais antigos tinham um déficit de zinco e sua resposta inflamatória era maior, apesar do fato de que em sua dieta eles recebiam a quantidade diária recomendada de zinco.

Ambos os fatores - imunossupressão e resposta inflamatória excessiva - estão relacionados a diversos problemas de saúde, incluindo câncer, doenças cardiovasculares, diabetes e patologias autoimunes, o que evidencia a importância do consumo adequado de zinco, principalmente no caso dos idosos.

Os autores do estudo trabalharam com animais de laboratório e descobriram que aqueles que eram idosos tinham um déficit de zinco e sua resposta inflamatória era maior, apesar do fato de que eles receberam a quantidade diária recomendada de zinco em sua dieta. Eles então tentaram aumentar dez vezes a quantidade de zinco que supostamente precisavam e descobriram que a resposta inflamatória era igual à dos animais jovens.

Os pesquisadores acreditam que os idosos devem tomar uma quantidade maior de zinco do que a recomendada para adultos - 8 miligramas para as mulheres e 11 miligramas para os homens - já que os resultados do estudo sugerem que à medida que envelhecem é reduzido a capacidade do corpo de absorver zinco.

Embora existam suplementos vitamínicos que contenham zinco, é melhor obtê-lo com uma dieta equilibrada. Além disso, você deve sempre consultar o médico antes de recorrer a esses suplementos, para verificar se há deficiência desse oligoelemento e porque, em excesso, pode interferir na absorção de outros nutrientes e causar diversos distúrbios, como diarréia e vômitos.

A CURA DA DEPRESSÃO ESTÁ NOS HÁBITOS - PARTE 2 (Setembro 2019).