O psicólogo britânico Alic Sigman aproveitou a celebração da Conferência de Pediatria e Saúde da Criança, em Glasgow, para alertar sobre o abuso de tecnologia, o que significa que as crianças passam muito tempo em frente às telas. E não se refere apenas à televisão, que segundo Sigman está sendo usado por muitos pais como substituto da babá, mas também ao uso do videogame, do computador, do BlackBerry ...

E é que a tecnologia, que em princípio é uma grande vantagem, pode se tornar um sério risco para a saúde se for abusada, porque encoraja o estilo de vida sedentário em crianças e promove o desenvolvimento de condições como obesidade, distúrbios do sono, diabetes, déficit de atenção, problemas de aprendizagem ...

No Reino Unido, adolescentes entre 12 e 15 anos passam uma média de seis horas por dia em frente a uma tela

Um estudo apresentado na conferência mostra um fato alarmante, no Reino Unido, adolescentes com idades entre 12 e 15 anos passam uma média de seis horas por dia em frente a uma tela. E isso se refere apenas às atividades em casa, então teríamos que adicionar acesso a computadores ou smartphones durante a permanência na escola.

Sigman acredita que essa dependência tecnológica não é saudável nem nos adultos nem nas crianças, e que é necessário que os pais tomem consciência disso e ajam de acordo. Assim, de acordo com esse especialista, deve-se evitar que crianças menores de três anos - enquanto o cérebro está em fase crítica de desenvolvimento - acesse qualquer tipo de tela e, posteriormente, limite o tempo que as crianças passam assistindo televisão ou jogar videogames - uma hora e meia por dia, até sete anos e, no máximo, duas horas após essa idade.

Em suma, Sigman defende um uso racional da tecnologia para ajudar a tornar a vida mais fácil para as famílias, mas sem criar dependência ou prejudicar a saúde física e emocional de seus membros.

O que é Síndrome do Imperador? - Todo Seu (26/02/18) (Setembro 2019).