Dengue, uma doença infecciosa transmitida por picadas de mosquito Aedes aegypti, aumentou sua incidência em todo o mundo e, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano, entre 50 e 100 milhões de novos casos são registrados. Atualmente, o tratamento da dengue é baseado no alívio de sintomas, como febre e desidratação, e não é possível adotar medidas preventivas, exceto para tentar prevenir a proliferação de mosquitos transmissores da doença.

Um estudo realizado com 4.000 crianças entre quatro e onze anos de idade mostrou que a vacina é segura e parcialmente eficaz contra três dos quatro sorotipos do vírus da dengue.

Por esse motivo, o desenvolvimento de uma vacina que proteja contra o vírus causador dessa patologia, cujas complicações podem levar à morte, é o objetivo de muitas investigações em andamento. Um desses estudos, que foi realizado na Tailândia - o país onde a infecção é endêmica - com 4.000 crianças entre quatro e onze anos, provou que uma nova vacina é segura e parcialmente eficaz para combater três delas. os quatro sorotipos do vírus da dengue.

Os resultados do estudo - que foram publicados no 'The Lancet' - revelam que a vacina foi especialmente eficaz contra o sorotipo 3 do vírus (em 90%), mas não obteve nada contra o sorotipo 2. Portanto, novos estudos, tanto para confirmar os resultados com uma amostra maior da população, e para tentar obter uma droga que protege contra os quatro sorotipos.

Atualmente, está em andamento um novo estudo envolvendo 31.000 voluntários saudáveis ​​- adultos e crianças - que residem principalmente em países endêmicos, e espera-se que essa nova pesquisa forneça informações adicionais que ajudarão os cientistas a desenvolver um vacina realmente eficaz.

Ministério da Saúde alerta para a importância da vacinação contra a febre amarela (Outubro 2019).