Especialistas acreditam que o tempo que os adolescentes passam conectado às redes sociais aumenta o risco deles adotarem hábitos nocivos, como fumar, beber e usar drogas, de acordo com os resultados de uma investigação nacional sobre as atitudes associadas ao abuso do álcool. substâncias que foram realizadas nos Estados Unidos.

O estudo descobriu que, durante um dia típico, 70% dos jovens americanos entre as idades de 12 e 17 anos - cerca de 17 milhões de adolescentes - ficaram de um minuto a algumas horas usando Facebook, MySpace e outras redes sociais, de acordo com o Centro Nacional de Vícios e Abuso de Substâncias (CASA) do Universidade de columbia.

Nessa faixa etária, os adolescentes mais envolvidos nas redes sociais têm cinco vezes mais chances de fumar; eles são três vezes mais suscetíveis a ingerir bebidas alcoólicas; e duas vezes mais chances de consumir maconha, aqueles que não gastam tempo em acessar redes sociais.

Na opinião de Joseph Califano Jr., fundador e presidente do CASA, a liberdade de expressão, a programação televisiva sugestiva e o 'vale tudo' na internet, podem ter como conseqüência o aumento do risco de adolescentes abusarem de substâncias tóxicas.

Redes de Conhecimento realizaram uma pesquisa pela internet na qual participaram 1.037 adolescentes de 12 a 17 anos e 528 pais desses jovens. QEV Analytics Realizaram uma pesquisa por telefone com 1.006 jovens com idade entre 12 e 17 anos, fazendo perguntas feitas pelo CASA para observar as tendências.

50% dos adolescentes que acessaram uma rede social no dia da pesquisa admitiram ter visto nessas páginas fotografias de jovens em estado de embriaguez, inconsciência ou uso de drogas

Os resultados revelaram que 50% dos adolescentes que acessaram uma rede social no dia da pesquisa admitiram ter visto nessas páginas fotos de jovens em estado de embriaguez, inconsciência ou uso de drogas.

Além disso, 14% dos jovens que não usaram uma rede social naquele dia também viram esse tipo de imagens nas páginas em outros momentos.

De acordo com os dados do estudo, ver essas fotos produziu um efeito devastador sobre os jovens, já que eles tinham quatro vezes mais chances de obter maconha, três vezes mais chances de obter remédios para os quais é necessária uma receita, sem ela, e dobrar as chances de conseguir álcool. Quanto aos adolescentes, aqueles que viram as imagens eram duas vezes mais propensos a pensar que depois experimentariam drogas, e tinham uma tendência mais marcante de fazer amizade com pessoas que usavam substâncias ilegais.

Os pesquisadores registraram outro fato preocupante: quase metade dos jovens que viram essas imagens tinham 13 anos ou menos quando os viram pela primeira vez.

Ao perguntar aos adultos, eles observaram que nove entre dez pais não vêem perigo porque não acreditam que os adolescentes que passam mais tempo se conectando às redes sociais tenham maior probabilidade de consumir álcool ou usar drogas. Portanto, os autores do relatório alertam os pais sobre a necessidade de lutar contra o uso de drogas e pedem aos administradores das redes sociais que retirem essas imagens e vetem o acesso aos adolescentes responsáveis ​​pela sua disseminação.

Do Facebook, eles lançaram uma declaração em que eles têm um impacto sobre a importância da saúde e segurança de seus usuários, especialmente adolescentes, para esta rede social, e afirmam que a política da empresa proíbe expressamente a promoção de drogas, por exemplo. o que eles removem esse tipo de conteúdo assim que tiverem conhecimento de sua existência.

Fonte: EUROPA PRESS

MELASMA, CANSAÇO, BARRIGA INCHADA, ACNE, PELE AMARELADA... Alimentos que curam o FÍGADO (Setembro 2019).