Quatro entre dez espanhóis têm dificuldade em adormecer, e mais de 50% dos que sofrem de insônia dizem que o desemprego e dificuldades econômicas são as principais razões que tire o sonho, de acordo com os dados obtidos com uma pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisas em Fitoterapia (INFITO), que coletou o depoimento de mais de duas mil pessoas.

Sete em cada dez participantes, além disso, consideram que as plantas medicinais são uma ajuda na hora de adormecer, e quase 75% dos entrevistados optam por produtos farmacêuticos de origem vegetal contra a sintética.

Outros métodos que os espanhóis usam para relaxar e dormir melhor são: assistir televisão (60%), ouvir música (20%), ler um livro (8%), fazer sexo ou tomar um remédio para dormir (5%).

As pessoas mais afetadas pela insônia são as mulheres, especialmente as donas de casa, e os desempregados, embora as razões para perder o sono sejam diferentes de acordo com o grupo populacional.

As mulheres são as mais afetadas pela insônia, especialmente as donas de casa e os desempregados. Desemprego é o que mais preocupa aqueles que ficaram sem trabalho, mas também para pessoas que estão na faixa de 30 a 39 anos (41%) ou entre 40 e 49 anos (37%), e para os trabalhadores independentes (37%). Estes últimos também estão entre os mais afetados por outra insônia, a falta de recursos econômicos (35%), seguidos por aqueles entre 30 e 39 anos (33%) e por mulheres (25%).

A saúde é outra questão que tira o sono, principalmente de idosos e aposentados (40%), além de mulheres (37%).

No caso de jovens entre 18 e 29 anos, quase metade confessam ir para cama mais tarde do que a conta para ficar assistindo televisão (21%) ou usar o computador (17%), o que altera seus ritmos circadianos e prejudica a qualidade do sono.

O que dizem os especialistas

Os especialistas insistem em que, para recuperar um sono regular e agradável, a primeira coisa a fazer é estabelecer hábitos apropriados. Praticar exercício físico (embora nunca antes de ir para a cama) é essencial, assim como ter um tempo fixo para ir para a cama e também para se levantar e, claro, evitar estimulantes como cafeína, álcool ou nicotina. A Dra. Rosa Peraita, chefe da Unidade de Sono do Hospital Universitário Geral Gregorio Marañón, em Madri, recomenda seguir uma terapia cognitivo-comportamental, se necessário, ou consumir plantas medicinais disponíveis nas farmácias. Às vezes é necessário prescrever um tratamento com hipnóticos, mas o especialista adverte que eles podem causar sintomas de abstinência quando sua administração é suprimida, por isso aconselha optar por produtos naturais sempre que possível.

Concha Navarro, professora de Farmacologia da Universidade de Granada e presidente do INFITO, afirma que as preparações de plantas medicinais vendidas em farmácias, especialmente recomendadas para tratar casos de insônia transitória, são seguras e podem ser utilizadas por muito tempo. tempo sem apresentar efeitos adversos. Entre esses produtos destacam-se a conhecida valeriana, que diminui a ansiedade e facilita a conciliação do sono, Papoila da Califórnia, que tem efeitos similares, e maracujá, que intervém nas fases do sono profundo, prolongando-as e, assim, impedindo o paciente de acordar durante a noite.

Fonte: INFITO

Vivir sin estrés ni ansiedad por Covadonga Pérez-Lozana PARTE 1 (Outubro 2019).