O governo argentino anunciou que o presidente, Cristina Fernández de Kirchner, que acaba de jurar pela segunda vez, tem câncer de tireoide. O tumor, um carcinoma papilar que foi detectado em um exame médico de rotina, será removido no dia 4 de janeiro no Hospital Austral de Buenos Aires e, como explicado pelo porta-voz do governo, Alfredo Soccimarro, não foi estendido a outros órgãos. nem afeta os gânglios linfáticos.

Esta doença muitas vezes não apresenta sintomas e, como no caso do presidente argentino, é detectada em um exame médico de rotina.

Os tumores malignos são raros na tireoide, embora nos últimos anos tenha sido observado um aumento na incidência desse tipo de câncer. Alguns sinais que podem alertá-lo para a presença de um tumor da tireoide são: um nódulo no pescoço (embora isso não signifique necessariamente que seja maligno), rouquidão ou tosse injustificada, dor no pescoço ou orelhas, dificuldade em engolir ou respirar. . No entanto, é uma doença que muitas vezes não apresenta sintomas e, como no caso do presidente argentino, é detectada em um exame médico de rotina.

Segundo Soccimarro, as análises realizadas pelos médicos determinaram que não há metástase, e que a condição está localizada apenas na glândula tireóide. Espera-se que Fernández de Kirchner permaneça 20 dias após a cirurgia e que Amado Boudou, o vice-presidente argentino, ocupe a chefia do Estado durante sua ausência.

Presidente argentina sofre de cancro da tiróide (Outubro 2019).