Durante as férias de Natal, triplicam a quantidade de álcool consumida durante o resto do ano, e os remédios populares contra a ressaca não têm base científica, embora alguns melhorem os sintomas. Portanto, se você não quiser sofrer de uma ressaca, os especialistas recomendam que você beba com moderação e beba muitos líquidos para evitar a desidratação.

Nunca há falta de conselhos quando se procura maneiras de combater o desconforto associado ao consumo excessivo de álcool. Alguns dos truques que circulam como "comer antes de ir para a cama", "tomar um café" ou até mesmo "tomar antiinflamatórios" não têm base científica. Os médicos concordam que a única maneira de evitar uma ressaca é se abster de beber ou ingerir pequenas quantidades.

É verdade que neste momento, atormentado por compromissos familiares e sociais, nos quais o consumo de álcool é muito comum, é difícil estar consciente da abstinência. Segundo dados da Federação Espanhola de Espíritos, em nosso país são consumidos 62 milhões de litros de destilados por ano (o equivalente a 1,4 litros por habitante). Se você adicionar a este valor o resto de bebidas alcoólicas, como vinho ou cidra, você excederá 100 litros.

Com o metabolismo rápido ou lento, o álcool é responsável pelo desconforto subsequente que ocorre com vasodilatação (explicando o aumento da temperatura da pele e vermelhidão da face), dores de estômago, aumento da frequência cardíaca, boca seca, dor de cabeça ...

Como a ressaca ocorre

Quando o álcool é ingerido, o estômago absorve uma fração que corresponde aproximadamente a 20% do total, enquanto o restante passa para o intestino delgado. A partir da corrente sanguínea, uma pequena parte é excretada na urina e o restante é metabolizado no fígado por uma enzima chamada álcool desidrogenase.

A quantidade que o fígado metaboliza é sempre a mesma e varia entre sete e dez gramas por hora (o que equivale a uma cerveja), independentemente do que foi bebido, como explica o coordenador do Programa de Alcoolismo. dos Serviços de Saúde Mental do distrito de Retiro de Madrid, Gabriel Rubio.

Como o corpo só tem a capacidade de metabolizar uma pequena quantidade a cada hora, se o volume de álcool ingerido excede essa capacidade, ocorre intoxicação, que conhecemos como embriaguez, que se manifesta inicialmente com uma euforia confortável que piora. Como aumenta o nível de álcool no sangue.

O álcool (etil), entre outras funções, inibe a ação da vasopressina, um hormônio que faz com que os rins economizem água para aumentar a quantidade de urina. Quando ausente, o corpo excreta 10% mais que o habitual, e as meninges (três envolvimentos finos que cobrem o cérebro) são um dos tecidos mais afetados por essa desidratação, que causa dor de cabeça.

Antoni Gual, da Unidade de Alcoologia da Clínica Hospitalar de Barcelona, ​​ressalta que, embora muitas pessoas pensem que o álcool é uma substância excitante, na realidade é um depressor do sistema nervoso central.

Rubio adverte que vomitar, beber café ou usar drogas como a cocaína não aliviam o envenenamento por álcool.

Recomendações

Para evitar a ressaca, Gual recomenda beber moderadamente e devagar, sem esquecer que beber com o estômago vazio, aumentar a atividade física e estar desidratado são fatores que podem contribuir para o agravamento dos sintomas na manhã seguinte.

O especialista catalão diz que o fator determinante é a desidratação, já que a dor de cabeça e outros sinais, como cãibras musculares, são devidos à falta de água no corpo.

Gabriel Rubio diz que, para melhorar os sintomas, é necessário beber bastante líquido, dormir o suficiente e, no dia seguinte, comer e se exercitar.

Dr Lair Ribeiro Toma 14 Suplementos Diariamente e Diz que NUNCA Tomou Remédios Impressionante (Setembro 2019).