Especialistas alertam que, embora a mortalidade atribuível ao fumo em homens tenha diminuído, o número de mulheres que morreram devido ao consumo de tabaco aumentou.

O tabaco é o primeiro fator de risco para morte modificável em países desenvolvidos, bem como a principal causa de anos de vida perdidos prematuramente e anos vividos com uma deficiência na Espanha. Segundo especialistas, enquanto outros tipos de câncer diminuem progressivamente sua incidência na população, o câncer de pulmão em mulheres tem sido uma exceção, e não apenas está aumentando sua incidência, mas afeta mulheres cada vez mais jovens.

Um estudo publicado na revista espanhola 'Medicina Clínica' revela que, durante 2006, quase 15% do total de mortes ocorridas na Espanha foram causadas pelo tabagismo. Pesquisadores estimam que quase 90% das mortes por câncer de pulmão e doença obstrutiva crônica (DPOC) poderiam ter sido evitadas se a exposição ao tabaco não existisse, bem como 50% das mortes causadas por câncer de pulmão e laringe e por acidente vascular cerebral em mulheres.

Vários estudos indicam que as mulheres correm mais risco do que os homens de desenvolver câncer de pulmão se estiverem expostas à fumaça do tabaco. De fato, embora haja menos fumantes do que fumantes, 64% das pessoas que morrem no mundo como resultado da exposição ao tabaco são mulheres.

Um país de fumantes

Segundo o Inquérito Nacional de Saúde de 2007, 27,1% da população espanhola com mais de 16 anos de idade fuma, uma das taxas mais elevadas entre os países da União Europeia. E a Espanha também se destaca pelo número de mulheres jovens fumantes desde que, de acordo com a última Pesquisa Escolar do Ministério da Saúde, 26% das jovens espanholas fumam.

Um estudo da Sociedade Espanhola de Epidemiologia indica que, após a introdução da primeira lei antitabaco em nosso país, a mortalidade por tabagismo na Espanha foi reduzida em 1.500 pessoas por ano, número que se refere apenas às mortes por câncer de pulmão e ataque cardíaco. miocárdio e não a muitas outras condições associadas ao uso do tabaco.

Mortalidade entre 30 e 45 anos é elevada em Portugal devido ao consumo de tabaco (Setembro 2019).