Hoje é comemorado Dia Europeu da Saúde Sexual e especialistas alertam que as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) estão aumentando, especialmente entre homens jovens que fazem sexo com homens, e que o medo do contágio foi perdido e a conseqüente falta de precaução na manutenção relações sexuais, é uma das principais razões que favoreceram o aumento do número de pessoas afetadas por essas patologias.

Na última década houve um aumento alarmante na incidência deste tipo de infecções, que são caracterizadas por serem assintomáticas por um tempo, então a pessoa infectada não sabe que é e, inadvertidamente, transmite a doença mantendo relações sexuais sem usar preservativo. É por isso que os especialistas recomendam que você vá imediatamente ao médico se tiver algum sintoma suspeito ou quando tiver relacionamentos desprotegidos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que cerca de 448 milhões de casos de doenças sexualmente transmissíveis (clamídia, sífilis, gonorréia, herpes genital ...) são diagnosticados em todo o mundo a cada ano. Somente em nosso país foram registrados 2.600 casos de sífilis, um número que dobrou em apenas seis anos. Além disso, infecções por herpes genital (68%) e clamídia (13%) nos últimos dois anos também aumentaram, sendo as mulheres as mais afetadas nesses casos. Outra doença sexualmente transmissível, a linfogranuloma venéreoaumentou significativamente sua incidência na Espanha, especialmente em Madri e Barcelona, ​​onde foi registrado o maior número de casos nos últimos 30 anos.

Para impedir a ascensão das ITSs, os especialistas insistem em que as pessoas sexualmente ativas que mudam frequentemente de parceiros sexuais não devem negligenciar medidas de proteção (preservativos masculinos e femininos), porque é a única maneira de prevenir a infecção.

Fonte: Sociedade Espanhola de Doenças Infecciosas e Microbiologia Clínica (SEIMC)

Ho'oponopono: Todo es Vibración, por Mª José Cabanillas (Setembro 2019).