A vacina usada para prevenir a infecção contra os tipos 16 e 18 do vírus do papiloma humano (HPV), que pode causar o aparecimento do câncer do colo do útero, também pode fornecer proteção importante contra os tumores orofaríngeos.

Essa é a conclusão de um estudo realizado pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (AIRC), dependente da Organização Mundial da Saúde (OMS), com a participação de pesquisadores da Costa Rica e do Instituto Nacional de Pesquisas sobre o Câncer. Cancer (NCI) dos Estados Unidos e que publicou 'PloS ONE'.

"Todos os anos ocorrem cerca de 85.000 novos casos de câncer de orofaringe no mundo, com incidência quatro vezes maior em homens que em mulheres"

Inicialmente, a pesquisa objetivou avaliar a efetividade da vacina contra o câncer de colo do útero, mas posteriormente foi incluída uma análise para verificar a eficácia do medicamento em outras áreas anatômicas, como a cavidade orofaríngea em que comprovaram que a vacina é capaz de reduzir mais de 90% de infecções orais para os tipos 16 e 18 do HPV.

A pesquisa foi baseada em um acompanhamento de 7.466 mulheres saudáveis, com idades entre 18 e 25 anos, que receberam a vacina contra o HPV 16/18 ou a vacina contra a hepatite A. As amostras foram retiradas da amostra. boca de 5.840 dessas mulheres para verificar a eficácia da vacina contra infecções orais causadas por esses sorotipos do HPV e, quatro anos depois, os pesquisadores observaram que a prevalência dessas infecções havia sido reduzida em 93%.

Especialistas estimam que cerca de 85.000 novos casos de câncer de orofaringe ocorrem a cada ano no mundo - incluindo as amígdalas e a base da língua - e a incidência dessa neoplasia aumentou acentuadamente nos últimos anos, especialmente em os Estados Unidos e a Europa, afetando especialmente os jovens, e quatro vezes mais homens do que mulheres.

HPV é responsável por mais de 95% dos casos de câncer de colo de útero | Fernando Maluf (Setembro 2019).