Para muitos, é um hábito quase inconsciente de rotina: é acordar e acender o primeiro cigarro do dia. Todos são perigosos, mas este, o primeiro da manhã, o mais. Isto é confirmado por dois novos estudos publicados na edição on-line da revista 'Cancer', que concluem que fumantes que tendem a acender seu primeiro cigarro logo após acordar têm um risco maior de desenvolver câncer de pulmão, cabeça e pescoço. do que os fumantes que geralmente esperam mais.

A equipe de Joshua Muscat, pesquisador do Penn State College of Medicine, em Hershey, investigou se a dependência da nicotina, entendida como o tempo que leva um fumante para acender seu primeiro cigarro depois de acordar, afeta o risco de que essas pessoas sofram câncer de pulmão, cabeça e pescoço, independentemente de quantas vezes você fuma e por quanto tempo.

Os pesquisadores analisaram 4.775 casos de câncer de pulmão e 2.835 pacientes de controle, todos fumantes habituais. Em comparação com indivíduos que fumaram mais de uma hora depois de acordarem, as pessoas que consumiram seu primeiro cigarro entre 31 e 60 minutos após o despertar tiveram 1,31 vezes mais chances de desenvolver câncer de pulmão. Aqueles que fumaram nos 30 minutos após acordar tiveram 1,79 vezes mais chances de sofrer desta doença.

Algo semelhante aconteceu com os 1.055 pacientes com câncer de cabeça e pescoço e com 795 pacientes do grupo controle, todos com histórico de tabagismo, analisados ​​no estudo. Comparando os indivíduos que fumaram mais de uma hora após o despertar, aqueles que fumaram entre 31 e 60 minutos depois tiveram 1,42 vezes mais chances de desenvolver câncer de cabeça e pescoço e aqueles que fumaram na meia hora após o despertar foram 1 , 59 vezes mais chances de sofrer esses tumores.

A explicação, segundo Muscat, é que "esses fumantes têm níveis mais altos de nicotina e, possivelmente, outras toxinas do tabaco em seu corpo e podem ser mais viciados do que os fumantes que aguardam meia hora ou mais pelo primeiro cigarro do dia".

Males do cigarro na juventude | Drauzio Comenta #83 (Setembro 2019).