Estima-se que cerca de 250.000 sejam realizados anualmente transplantes de cabelo no mundo, de acordo com dados da Sociedade Internacional de Cirurgia de Restauração Capilar. Na Espanha, o uso dessa técnica triplicou na última década, tanto em homens quanto em mulheres.

O Dr. Víctor Salagaray, especialista da clínica Svenson, atribui esse aumento à 'Efeito bônus', uma reportagem divulgada pela imprensa em 2009, quando se especulou que o político José Bono, atual presidente do Congresso dos Deputados, havia se submetido a esse tratamento para corrigir a alopecia.

A microenxertia capilar é um procedimento cirúrgico indolor, com um resultado definitivo, que permite ao paciente recuperar o próprio cabelo, e é especialmente indicado naqueles casos em que os tratamentos, cosméticos ou médicos, não foram administrados a tempo, ou não tiveram a eficácia necessária. Salagaray esclarece que quase 93% dos microenxertos capilares são realizados no couro cabeludo, embora a tendência seja que esses procedimentos sejam cada vez mais utilizados em outras áreas do corpo.

O especialista explica que essa intervenção é realizada preferencialmente em homens, embora cada vez mais mulheres exijam isso. Atualmente, aproximadamente 70% das pessoas que desejam se submeter a uma intervenção com microenxerto são homens, enquanto o número de mulheres aumentou em quase 30%. Em relação ao perfil dos pacientes, 92% dos homens que solicitam a intervenção têm menos de 54 anos de idade, enquanto no caso das mulheres, em 67% dos casos são maiores de 35 anos.

Essas diferenças, segundo o especialista, devem-se provavelmente ao fato de que agora os homens estão mais preocupados com sua aparência física e preferem evitar o aparecimento do distúrbio, assim que percebem que há perda significativa de cabelo, consultam um profissional; enquanto, no caso das mulheres, a falta de cabelo é menos perceptível e, portanto, leva mais tempo para ir. Em relação aos resultados alcançados, Salagaray afirma que as mulheres tendem a ser mais satisfeitas que os homens, e atribui isso à importância para elas de resolver um problema que consideram importante.

Quanto às áreas onde os microenxertos são solicitados com maior frequência, o principal é o couro cabeludo, seguido das sobrancelhas (3,4%), o rosto (bigode, barba e costeletas) (1,5%), a área púbica (0,4%) e o tórax (0,2%).

O resultado do enxerto capilar, visível em seis meses

O microtransplante é um procedimento no qual é utilizado o próprio cabelo do paciente, que antes era extraído de áreas onde não há risco de perda de cabelo, para cobrir áreas onde o cabelo já começou a se tornar escasso. Ao enxertar o novo cabelo, ele segue a mesma direção do original, então o resultado é muito natural.

O procedimento é realizado sob anestesia local e o paciente passa pelo pós-operatório em casa. Atualmente eles estão empregados Duas técnicas: a de FOI, na qual a unidade folicular é removida uma a uma, e aquela do Strip que contém mais de uma raiz em uma faixa de pele. Salagaray explica que a técnica Strip é a mais utilizada, embora a escolha dependa das necessidades do paciente.

Em apenas três meses, os cabelos enxertados começarão a crescer; após seis meses, um resultado parcial será alcançado; e leva entre nove meses e um ano para observar a eficácia do tratamento. O médico alerta que o paciente pode necessitar de mais de uma intervenção e acrescenta que, primeiro, um diagnóstico adequado é necessário para confirmar que a intervenção é possível, uma vez que não é indicada em todos os tipos de alopecia.

Em 2010, 700 operações foram realizadas e, neste ano, a clínica Svenson espera realizar 900. Portanto, Salagaray acredita que a crise econômica não influencia esse tipo de intervenção, para o qual existe até uma lista de espera.

Fonte: EUROPA PRESS

Exercício de Elasticidade do Couro Cabeludo-Vinci Hair Clinic (Setembro 2019).