'Aspirina' - ácido acetilsalicílico - tem sido associado com um efeito benéfico em alguns tipos de câncer, especialmente câncer de cólon. Entretanto, seu uso no tratamento dessas patologias não se espalhou devido a vários fatores; primeiro, por causa do risco de sangramento gástrico, e também porque os especialistas desconhecem as características dos pacientes que se beneficiariam com o uso da aspirina.

Agora, cientistas americanos e japoneses realizaram um novo estudo no qual descobriram que a aspirina é capaz de prolongar a vida daqueles pacientes com câncer de cólon que têm uma mutação em suas células, especificamente uma alteração no gene PIK3CA, que ocorre em 20% dos tumores do cólon e está relacionado a processos inflamatórios (precisamente em que a aspirina atua).

A ingestão de aspirina pode prolongar a vida de pacientes com câncer de cólon com uma mutação no gene PIK3CA, algo que ocorre em 20% dos tumores do cólon

O estudo, publicado no New England Journal of Medicine, contou com a participação de quase 1.000 pacientes e, de acordo com os autores do estudo, 97% das pessoas afetadas pelo câncer colorretal com a mutação PIK3CA que tomaram aspirina. Eles permaneceram vivos cinco anos após o diagnóstico, em comparação com 74% dos pacientes com a mesma mutação que não tomaram a medicação. Em 80% dos casos em que a mutação supracitada não estava presente, nenhum benefício foi observado com a ingestão de ácido acetilsalicílico.

Os resultados da pesquisa, na opinião dos especialistas, são muito interessantes porque foi identificado um marcador molecular - a mutação do gene PIK3CA - e a redução da taxa de mortalidade em pacientes com essa alteração tem sido relacionada à ação antiinflamatória de aspirina. Além disso, o gene PIK3CA também é mutado em outros tipos de tumores, como o câncer de mama.

Entretanto, novos estudos são necessários para confirmar esses resultados em uma amostra maior de pacientes, uma vez que a aspirina é uma droga cujo uso continuado pode envolver riscos à saúde, e seu uso ainda não pode ser recomendado, nem como método preventivo. para tumores do cólon, nem para o tratamento de pacientes já diagnosticados.

MENSTRUAÇÃO- HIPOTIROIDISMO E ÁCIDO CLORÍDRICO | Dr Lair Ribeiro (Setembro 2019).