Recentemente, foi realizado o IV Encontro de Cirurgiões Vasculares dos Hospitais da USP, no qual foi analisado o impacto da doença tromboembólica venosa em gestantes. Este problema surge como resultado do aumento dos níveis de estrogênio que ocorre durante a gravidez, especialmente se associado a cirurgias como a cesárea.

Trombose venosa é a ocupação do interior de uma veia profunda por um coágulo sanguíneo. Geralmente ocorre nas extremidades inferiores (pernas ou coxas).

Por esse motivo, os cirurgiões reunidos recomendam gestantes para ir ao ginecologista ao perceberem o surgimento de varizes. Este especialista pode examiná-los para determinar o tipo de veias varicosas que os afetam e o risco de sofrer tromboflebite (inflamação da veia, quando um coágulo é encontrado no interior), durante a gravidez ou no puerpério (tempo que se passou desde mulher dá à luz até que ela se recupere totalmente do parto, geralmente dura cerca de 40 dias). Se julgar apropriado, o ginecologista será responsável por encaminhar a gestante a um cirurgião vascular.

Estima-se que duas em cada dez pessoas que sofrem uma trombose do sistema venoso profundo nas pernas, desenvolvam uma insuficiência venosa ao longo de sua vida. No pior dos casos, a complicação mais grave que pode resultar dessa doença é a embolia pulmonar, que pode causar a morte em 1 a 2% dos casos.

Como Não Morrer: O Papel da Dieta na Prevenção e Reversão das 15 Principais Causas de Morte (Setembro 2019).