Um novo estudo publicado no New England Journal of Medicine revela que estatinas, um medicamento usado para controlar os níveis de colesterol, pode ser eficaz na redução do risco de morrer de câncer.

A pesquisa foi realizada por uma equipe de cientistas dinamarqueses, que analisaram dados de cerca de 300.000 pessoas - obtidos entre 1995 e 2007 - dos quais 18.721 consumiram drogas regularmente para controlar o colesterol antes de serem detectados. . De acordo com os dados do estudo, as pessoas que tomaram estatinas antes de serem diagnosticadas com câncer tiveram uma taxa de mortalidade 15% menor do que aquelas que não tomaram essa droga.

Estudos anteriores associam o uso de estatinas com menor probabilidade de expansão ou recorrência em alguns tipos de câncer

Isso pode ser explicado porque, segundo os especialistas descobriram, as estatinas têm a capacidade de bloquear uma enzima envolvida no desenvolvimento e expansão de tumores cancerígenos. O colesterol desempenha um papel importante na sobrevivência das células, tanto saudáveis ​​quanto cancerosas; assim, evitando o excesso de colesterol com estatinas, seria possível parar a proliferação de células tumorais.

Especialistas apontam que o estudo tem certas limitações porque não relata características importantes dos pacientes, se eles fumaram ou não, em que estágio o câncer estava quando foi diagnosticado, que tipo de tratamento recebeu, e assim por diante. Além disso, eles também consideram que as pessoas que tomam estatinas para baixar os níveis de colesterol têm maior probabilidade de ver o médico com maior frequência, o que levaria a um diagnóstico precoce do câncer e, portanto, a um melhor prognóstico.

No entanto, embora os autores do estudo expliquem que é necessário realizar mais ensaios clínicos para confirmar a eficácia das estatinas na redução do risco de morte por câncer, existem outros estudos prévios que associam o uso de estatinas a um menor probabilidade de expansão ou recorrência em alguns tipos de tumores.

Por exemplo, uma pesquisa publicada no ano passado na revista 'Cancer' concluiu que os homens que tomaram estatinas tinham até 30% menos chance de sofrer uma recaída do câncer de próstata. E em um teste de laboratório conduzido por cientistas da Universidade de Columbia (Nova York), observou-se que quando algumas células de câncer de mama eram tratadas com estatinas, essas células pararam de se expandir e até desapareceram.

"- A minha Veia tá entupida de COLESTEROL, como eu DESENTUPO?" 25/05 (Setembro 2019).