As altas temperaturas que caracterizam o verão causam o aparecimento de distúrbios como a insolação. Embora em determinadas circunstâncias qualquer pessoa possa sofrer desta condição, que consiste no aumento da temperatura corporal e perda de fluidos, as pessoas que estão sob tratamento médico - e especialmente pacientes policomedicados - têm um risco adicional porque certos medicamentos podem promover ocorrência de uma insolação e agravam seus sintomas. Crianças, lactentes, idosos e pessoas com condições crônicas que são mediadas são os grupos com maior risco a esse respeito e é aconselhável monitorar sua medicação para evitar problemas.

No Plano de Prevenção de Efeitos de Alta Temperatura de 2013, a Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS) alerta que o consumo de alguns medicamentos pode causar hipertermia mesmo que a temperatura não seja alta, e recomenda que os pacientes policomedicados, e especialmente os idosos, consultem seu médico e tomem precauções para evitar problemas de saúde.

Pacientes de polifarmácia, e especialmente os idosos, devem consultar seu médico e tomar precauções para evitar problemas de saúde

Entre os medicamentos que devem ser tomados diuréticos -Que causam alterações na hidratação - e drogas que podem afetar a função renal, como Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)e alguns antibióticos e antivirais.

Outros tratamentos, como os usados ​​para combater a epilepsia, antiarrítmicos e certos antidiabéticos tomados por via oral, bem como estatinas, que são usados ​​para reduzir os níveis de colesterol, também podem ser alterados pela desidratação.

O AEMPS também lembra às pessoas que habitualmente usam drogas para o tratamento da hipertensão que este tipo de medicamento pode aumentar os efeitos do calor ou reduzir a capacidade do corpo de se defender contra altas temperaturas.

Por todas estas razões, este órgão aconselha os profissionais médicos a avaliar o benefício-risco do tratamento farmacológico que cada paciente segue, e decidir sobre a conveniência de continuar com a terapia atual, ou se é possível retirar qualquer um dos medicamentos, sempre levando em consideração levar em consideração o estado do paciente, as condições que estão sendo tratadas e o possível risco de síndrome de abstinência ou efeitos colaterais que poderiam ser sofridos pela eliminação de qualquer medicação.

Da mesma forma, eles recomendam evitar a administração de Paracetamol em caso de febre, uma vez que não previne a insolação e pode agravar uma doença hepática.

Doping: as substâncias mais comuns (Outubro 2019).