Um estudo publicado na revista O New England Journal of Medicine, apoiada pela Sociedade Francesa de Dermatologia e pela Roche, analisa o tratamento de pênfigo com rituximab, um anticorpo monoclonal.

O pênfigo é uma condição da pele autoimune, raro, que quase sempre se manifesta em adultos de meia idade ou idosos, e é caracterizado pela formação de bolhas na camada externa da pele (epiderme) e membranas mucosas. O sistema imunológico do corpo produz anticorpos para combater certas proteínas na pele e membranas mucosas, que causam uma reação que leva ao desprendimento das células epidérmicas.

O estudo, no qual 13 centros participaram na França e foi aprovado pelo Comitê de Ética-Marítima do Sena, demonstrou a eficácia do rituximabe, realizando o estudo em 21 pacientes (14 homens e 7 mulheres), onde 86% estavam em remissão completa três meses após receber quatro infusões semanais de rituximabe.

Em conclusão, esta pesquisa sugere que o rituximabe é um tratamento muito eficaz para o pênfigo grave, mas um acompanhamento mais longo seria mais amplo e seguro, necessário para avaliar os riscos a longo prazo do tratamento.

Ação coletiva para o fornecimento do fármaco rituximab (Setembro 2019).