Os pediatras observaram que o número de crianças e adolescentes afetados por patologias psicossociais está aumentando, como o'Síndrome do imperador', que se caracteriza pelo fato de a criança adotar o papel de abusadora de seus pais, e cuja alta incidência é motivo de preocupação para os especialistas, que a incluíram entre os temas discutidos durante a VII Reunião Anual da Associação Espanhola de Pediatria de Atenção Primária (AEPap), que foi realizada em Guadalajara.

Os profissionais pediatras alertam que existem diferentes causas para o desenvolvimento desse tipo de transtornos, como a predisposição genética, a influência de fatores ambientais e do ambiente familiar, e apontam que a falta de autoridade e afetividade dos pais, a superproteção das crianças e do abandono das funções familiares são alguns dos problemas que afetam este tipo de violência doméstica multiplicou por seis na Espanha na última década, com cerca de 6.500 reclamações em 2010.

A incidência da 'síndrome do imperador', que se caracteriza pelo fato de o filho adotar o papel de agressor de seus pais, se multiplicou por seis na Espanha na última década

A presidente da Associação Espanhola de Pediatria de Atenção Primária de Castilla La Mancha (APapCLM), Dra. María Victoria García García-Calvo, acredita que nos últimos anos houve mudanças substanciais na forma de assumir responsabilidades na família. e que muitos pais acham difícil encontrar um equilíbrio entre afetividade e autoridade em relação a seus filhos. A esse respeito, os especialistas aconselham que seja essencial estabelecer normas e limites, uma vez que as crianças são pequenas para uma boa convivência no lar, e isso não é de modo algum incompatível com o afeto.

As regras, além disso, devem ser explicadas à criança assim que ele puder entendê-las, e devemos parabenizá-lo quando ele fizer as coisas direito e se comportar corretamente. E é que, segundo os especialistas, um maior envolvimento dos pais na educação de seus filhos, pode impedir o surgimento de patologias psicossociais à medida que crescem. É por isso que os pediatras aconselham os pais a ensinar as crianças a pensar antes de agir, dar-lhes responsabilidade e dizer "não" a elas sempre que necessário.

Fonte: Associação Espanhola de Pediatria da Atenção Primária (AEPap)

A saúde mental infanto-juvenil. (Setembro 2019).