Muitas crianças já enviaram a carta para o Papai Noel e os Magos, e aguardam seus presentes de Natal com grande entusiasmo. Os brinquedos, além de divertidos e divertidos, podem servir para facilitar o desenvolvimento e educação dos pequenos, estimulam sua imaginação e os tornam mais criativos. Portanto, os pediatras aconselham os pais a ajudar seus filhos a escolherem os brinquedos e a garantir que os mais adequados sejam aqueles que estimulam o desejo das crianças de experimentarem e sua criatividade.

Ao escolher presentes, é muito importante levar em conta a idade da criança. Até dois anos, por exemplo, tendem a levar tudo até a boca, por isso os brinquedos não podem ter pontas afiadas ou pontiagudas, devem ser feitos de materiais macios que não possuem toxicidade, e não podem ter peças pequenas que a criança pudesse entrar na boca, nariz, orelhas ... Nessas idades, além disso, é necessário que um adulto brinque e converse com eles para facilitar o desenvolvimento da linguagem e sua interação com as pessoas em seu ambiente.

Brinquedos eletrônicos ajudam as crianças a se familiarizarem com o mundo dos computadores e podem ser um complemento educacional eficaz

As crianças de 3 ou 4 anos são mais criativas e têm uma coordenação motora fina mais desenvolvida, por isso podem divertir-se com jogos de construção, modelar com plasticina, desenhar e inventar histórias com os seus bonecos favoritos.

Os jogos em que vários jogadores participam e nos quais devem aderir às regras estabelecidas são muito apropriados para crianças em idade escolar, porque os ajudam a raciocinar, a trabalhar em equipe e a promover relações sociais. Nesta fase, também é importante incentivar o hábito da leitura.

Brinquedos eletrônicos estão entre os favoritos das crianças desta idade, e a Dra. Ana Martínez Rubio, pediatra de Atenção Primária no Centro de Saúde de Leitos (Sevilha), e membro da Associação Espanhola de Pediatria de Atenção Básica (AEPap) , acredita que eles são muito instrutivos porque ajudam as crianças a se familiarizarem com o mundo TIe pode ser um complemento educacional eficaz. No entanto, ele adverte que é necessário restringir o tempo dedicado a esse tipo de entretenimento.

O especialista também recomenda que os pais limitem o tempo que seus filhos passam assistindo à televisão porque, especialmente nessas datas, a grande quantidade de publicidade em brinquedos pode confundir os pequenos, incitando-os ao consumismo e querendo tudo. Em sua opinião, as crianças não devem pedir mais do que dois ou três brinquedos ou jogos, sempre aconselhados pelos pais.

Dicas para escolher bem os brinquedos no Natal

Os especialistas insistem em que toda a atenção seja dada aos brinquedos que atendam a todos os padrões de segurança e sejam apropriados para que a criança possa manipulá-los sem que ele ou qualquer pessoa em seu ambiente esteja em risco. Para não falhar na eleição, o Dr. Antonio Redondo, pediatra, recomenda:

  • Leia cuidadosamente as instruções nas caixas ou nos recipientes, verificando se é apropriado para a idade da criança e se está em conformidade com as normas de segurança prescritas por lei.
  • Escolha brinquedos de boa qualidade, que sejam confiáveis, e aprenda bem sobre o modo de emprego.
  • Não compre brinquedos que sejam muito difíceis para a habilidade ou habilidade da criança.
  • Não use bolas, patins, bicicletas, brinquedos que sejam arremessados ​​ou baleados em casa, ou qualquer dispositivo que seja indicado para o exterior, para evitar que a criança ou outras pessoas sejam feridas.
  • Visite as lojas para ver todas as alternativas disponíveis, porque nem todos os brinquedos aparecem em publicidade.
  • Verifique periodicamente os brinquedos para verificar se estão em boas condições e se não representam perigo para a criança.
  • Verifique se os brinquedos usados ​​para escalá-los são estáveis ​​e seguros e se não apresentam nenhum defeito de montagem que possa constituir um risco.

Fontes: Sociedade Espanhola de Pediatria e Atenção Primária (SEPEAP) e Associação Espanhola de Pediatria da Atenção Primária (AEPap)

PEDIATRIA - Como os bebês reagem ao calor e à exposição ao sol? (Setembro 2019).