Um sesta Uma hora pode fortalecer a função cerebral, conforme descoberto por um estudo da Universidade da Califórnia, em Berkeley (EUA). E é isso, o sonho é necessário para eliminar os dados armazenados na memória de curto prazo e deixar espaço para as novas informações.

Pesquisas mostram que programar o sono em duas fases renova a mente e, além disso, pode enriquecê-la. Pelo contrário, quanto mais tempo uma pessoa permanece acordada, mais sua mente ficará letárgica. Os mesmos pesquisadores já haviam verificado em estudos anteriores que o falta de sono a capacidade de reter novos dados em quase quarenta por cento diminui, devido à desativação de regiões do cérebro que ocorre durante a vigília.

"O sonho não só conserta o mal de uma vigília prolongada, mas, em um nível neurocognitivo, coloca você no lugar em que estava antes de tirar uma soneca", explica Matthew Walker, diretor da pesquisa.

No estudo supracitado, 39 adultos jovens saudáveis ​​foram divididos em dois grupos. Na metade do dia, todos participaram de uma tarefa de aprendizado que ativa o hipocampo, uma região do cérebro responsável pela consolidação da memória e do aprendizado.

Às duas da tarde, um dos grupos dormiu por 90 minutos, enquanto o outro permaneceu acordado. Mais tarde, por volta das seis horas da tarde, os dois grupos realizaram uma nova rodada de exercícios de aprendizado. Aqueles que dormiram tiveram melhores resultados, realizaram melhor o teste e aumentaram sua capacidade de aprender, em comparação com aqueles que ficaram acordados durante o dia.

Os testes de eletroencefalograma, que medem a atividade elétrica no cérebro, indicaram que o processo de resfriamento da memória que ocorre durante o sesta está associado à fase II do sono não REM (abreviação de Rapid Eye Movements, em inglês). O sono fase II é parcialmente restaurador, não é suficiente para o descanso ser considerado completo e ocupa cerca de 50% do tempo de sono no adulto. Walker acrescenta que o propósito desta fase do sonho era desconhecido e que os resultados do estudo ajudaram a entender por que os humanos gastam quase metade de suas horas de sono na fase II, não REM.

How the food you eat affects your brain - Mia Nacamulli (Setembro 2019).