Uma investigação na qual participaram mais de 1.000 presidiários das Comunidades Autônomas de Aragão, Catalunha e Madri, revela que, em nosso país, 41% dos presos sofrem de um distúrbio mental, entre os quais estão incluídos fobiasestresse pós-traumático psicose Como esquizofrenia e transtornos de ansiedade.

O estudo PRECA, que analisou apenas homens, foi conduzido pelo dr. Enric Vicens, do hospital Sant Joan de Deu em Barcelona, ​​que explicou que 84% dos presos sofreram algum tipo de doença mental durante suas vidas, e que, no caso desses pacientes, os distúrbios que eles apresentam eles estão fortemente associados ao uso de drogas.

84% dos presos sofreram algum tipo de doença mental durante suas vidas

De acordo com os dados obtidos neste estudo, a prevalência de doença mental é, entre os reclusos nas instituições penitenciárias espanholas, até cinco vezes mais do que na população geral. Por essa razão, o Dr. Vicens considera necessário estabelecer programas para diagnosticar esses distúrbios e tratá-los adequadamente dentro das prisões. Desta forma, poderia reduzir o consumo de drogas e facilitar a reintegração social dos prisioneiros. O especialista também acredita que, diante da suspeita de que o réu por um crime sofra de transtorno mental, o juiz deve solicitar um laudo pericial de um psiquiatra, para verificar se é uma simulação ou se a pessoa realmente precisa de atendimento médico.

Por sua parte, Javier Nistal, vice-diretor de Tratamento Penitenciário e Gestão de Instituições Penitenciárias, diz que os presos que sofrem de doenças mentais devem ser encaminhados aos centros de saúde depois de cumpridos, para favorecer sua integração à sociedade e evitar a reincidência.

Depressão e transtorno de personalidade borderline. (Setembro 2019).