O impacto da mudança climática também afetará a mortalidade na Europa, e especialistas estimam que mais mortes serão registradas durante o verão do que nos meses de inverno após 2080, devido ao efeito das variações climáticas, que poderiam ser a causa de 230.000 mortes adicionais durante os últimos 30 anos deste século.

Pelo menos estas são as conclusões do Instituto Catalão de Ciências Climáticas (IC3), que realizou um estudo que cruzou dados populacionais com as previsões sobre o aquecimento global, e que se baseou no aproximadamente 70.000 mortes que ocorreram como resultado da onda de calor que atingiu a Europa no verão de 2003.

Na Europa, 21 pessoas morrem por cada milhão de habitantes em um dia comum, enquanto nos dias de frio extremo ou calor, cerca de 30 pessoas morrem.

 

O estudo mostra que, na Europa, 21 pessoas morrem por cada milhão de habitantes em um dia atual, enquanto nos dias de frio extremo ou calor, cerca de 30 pessoas morrem; e, segundo as previsões dos especialistas, os dias com temperaturas extremas são os que vão aumentar.

Para obter esses números, os pesquisadores analisaram dados de 16 países europeus, dos quais 400 milhões de pessoas residem.

Os dados do estudo mostram que esperança de vida diminuirá em média três ou quatro meses, mas seus autores apontam que esses números podem variar dependendo da região européia de residência, a adoção de medidas voltadas à prevenção de fatores de risco, como as emissões de substâncias tóxicas evoluem para a atmosfera e a capacidade dos seres humanos de se adaptarem a novas circunstâncias.

Mesmo levando em conta todas essas variáveis, Joan Ballester, autor do estudo, e Xavier Rodó, diretor do IC3, acreditam que em 2080 começará uma "mudança de ciclo", o que significará que o pico de mortalidade que ocorreu no inverno e que Foi associado com uma facilidade maior para espalhar várias patologias, ele se moverá para o verão.

Oo Institut National de la Santé e de Recherche Médicale de Montpellier, na França, e os Clínica da Faculdade de Medicina de Genebra e Hospitais Universitários Genebra (Suíça), colaboraram para realizar esta pesquisa, publicada em Comunicações da natureza, que levou em conta o aumento das temperaturas - cerca de 2 graus no inverno e 4,5 no verão - ocorreu no arco do Mediterrâneo, que é calculado como a área mais afetada pelas variações climáticas.

Nem toda a Europa será prejudicada pelo aumento das temperaturas, já que em regiões mais ao norte do continente reduzirá a mortalidade suavizando os invernos. No entanto, em termos globais, os números de mortalidade associados a causas climáticas podem chegar a 15.000 por anoporque no sul da Europa o número de mortes aumentará significativamente.

Fonte: EUROPA PRESS

Como impedir o aquecimento global? (Outubro 2019).