Um estudo publicado em O New England Journal of Medicine demonstra a associação existente entre o grau de exposição ao trânsito e a função pulmonar na asma.

Dirigido pelo Dr. Cullinan, membro do Grupo Consultivo de Especialistas em Qualidade do Ar do Governo do Reino Unido, o estudo avaliou os efeitos da exposição ao tráfego nas pessoas com asma leve e moderada. Envolveu 60 adultos asmáticos (31 com asma leve e 29 com asma moderada), que andaram 2 horas, alguns pela Oxford Street, onde o tráfego é exclusivamente a diesel e outros pelo Hyde Park, onde há mistura.

Os motores diesel emitem concentrações relativamente baixas de monóxido de carbono (CO) e dióxido de carbono (CO2), mas comparados aos motores a gasolina de tamanho similar, o diesel pode gerar mais de 100 vezes o número de partículas, e é o principais contribuintes para a poluição do ar.

Cerca de 5% da população geral sofre de asma, um número que aumenta para 10% no caso de crianças, as mais afetadas por esta doença

Com esta pesquisa, descobriu-se que a exposição ambiental ao tráfego de motores a diesel levaria a uma redução na função pulmonar e uma piora dos sintomas, acompanhada de um aumento na inflamação nos pulmões, concluindo que há uma associação entre o grau de exposição ao trânsito e função pulmonar.

Cerca de 5% da população geral sofre de asma. Estes números aumentam na infância, onde excedem 10%. Aquele que sofre duas ou mais vezes por semana, mas não diariamente, é chamado de asma leve. No entanto, a asma moderada aparece todos os dias e os sintomas afetam a atividade diária normal e o sono.

Buraco impede tráfego em Martinópolis e chuva piora situação (Setembro 2019).