A Comissão Europeia, seguindo a recomendação da Agência Europeia de Medicamentos, autorizou a utilização de Gardasil a vacina quadrivalente contra o vírus do papiloma humano (HPV), em crianças a partir dos 9 anos de idade, e jovens de 16 a 26 anos, o que faz dela a primeira vacina contra esse vírus que pode ser administrada em ambos os sexos.

O medicamento, comercializado pela Sanofi Pasteur MSD, e disponível desde 2006, protege contra quatro tipos de vírus (6, 11, 16 e 18), e sua ficha de dados foi atualizada com base nos resultados de um ensaio clínico em que sua eficácia foi confirmada para evitarverrugas genitais, uma condição comum na juventude e cuja incidência está aumentando.

Além disso, este último estudo acrescenta a outros que mostram a alta resposta imunológica produzida pela vacina em adolescentes entre 9 e 15 anos.

A vacinação de homens contra o HPV pode ajudar a reduzir a circulação do vírus e, assim, melhorar os resultados da vacina em mulheres jovens.

Como explicou Benoit Soubeyrand, diretor médico da Sanofi Pasteur MSD na Europa, além de prevenir o aparecimento de verrugas genitais em meninos e meninas, Gardasil Pode contribuir para reduzir a circulação do HPV e, assim, também melhorar os resultados da vacinação em mulheres jovens.

A eficácia clínica da vacina também foi incluída na ficha de dados técnicos da nova vacina para evitar lesões pré-cancerosas do ânus causada pelos tipos 16 e 18 do HPV, como foi comprovado em um subestudo realizado com homens que alegavam ter relações sexuais com outros homens. Ambos os tipos são responsáveis ​​por 70% das lesões pré-cancerosas do ânus, 80% dos cânceres anais e 70% dos cânceres penianos.

Este estudo, conforme indicado por fontes da empresa, baseou-se em lesões pré-cancerosas como marcador de câncer anal, uma vez que não é possível estudar a prevenção dessa patologia por razões éticas.

Fonte: EUROPA PRESS

Flávio Aguair: Começam testes de vacina experimental contra o ebola (Outubro 2019).