Tomar sardinhas pelo menos duas vezes por semana poderia ajudar a reduzir a probabilidade de desenvolver diabetes tipo 2 em idosos que sofrem de pré-diabetes - isto é, que estão em risco de sofrer -, graças ao seu conteúdo de proteína. Este foi o achado de um grupo de pesquisadores do Instituto de Pesquisa Biomédica August Pi i Sunyer (Idibaps) após o lançamento do projeto. Coma bem, envelheça melhor.

O estudo incluiu a participação de 200 pessoas com mais de 65 anos de idade e diagnosticado com pré-diabetes, que foram divididos em dois grupos; metade deles seguiu uma dieta indicada para prevenir o diabetes, com base no maior consumo de fibras e uma diminuição nos açúcares, e o resto, além desse tipo de dieta, também adicionou sardinhas ao cardápio semanal, por um período de um ano.

Mais bom colesterol e menos pressão arterial

Os resultados mostraram que o risco de desenvolver diabetes foi reduzido. Em geral, houve 34% menos casos diagnosticados, redução mais perceptível no grupo que também tomou sardinha, já que neste grupo havia 50% a menos novos afetados por essa patologia endócrina.

Idosos que consumiram sardinha reduziram os fatores de risco cardiovascular, como pressão arterial ou resistência à insulina

Além disso, aqueles que consumiram este peixe eles apresentaram menor resistência à insulina, pressão arterial mais baixa e níveis elevados do hormônio anti-inflamatório adiponectina e colesterol HDL (o "bom"). Seu nível de ômega 3 - especificamente EPA e DHA - também aumentou, o que está associado com menor risco cardiovascular, enquanto a de ômega 6 foi reduzida, fato que favorece a proporção entre os dois ácidos graxos e se traduz em melhorias para a saúde como prevenção da obesidade, aterosclerose e diabetes tipo 2.

Ramon Gomis, principal autor do estudo, explicou que as pessoas mais velhas poderiam aproveitar esses benefícios consumindo regularmente (uma ou duas vezes por semana) qualquer tipo de peixe azul que é rico em ômega 3, assim como peixes que contêm o aminoácido chamado taurina, como salmão ou atum, conclui.

Alimentação para DIABÉTICO (Outubro 2019).