Dengue, uma doença infecciosa transmitida pela picada de um mosquito, que é endêmica em mais de 100 países espalhados pela África, Américas, Sudeste Asiático, Mediterrâneo Oriental e Pacífico Ocidental, pode afetar mais da metade da população mundial, de acordo com estimativas da Organização Mundial de Saúde. Saúde (OMS), devido ao aumento que experimentou sua incidência durante as últimas décadas, e aos novos surtos em países que antes estavam livres da doença.

Assim, em 2010, a transmissão local da dengue foi notificada em França e na Croácia; em 2012, foi detectado um surto da doença nas ilhas da Madeira (Portugal) e os casos importados foram notificados em dez outros países europeus. E em 2013 casos já ocorreram na Flórida (EUA) e na China, na província de Yunnan. Além disso, em Cingapura, houve um aumento nos casos de dengue, e houve novos surtos no Laos.

Uma das principais rotas de introdução da dengue na América do Norte e Europa, tem sido a comercialização de pneus usados ​​e outros produtos artesanais da Ásia que contêm larvas do mosquito transmissor

Na América do Norte e na Europa, uma das principais rotas de introdução do mosquito transmissor da doença - neste caso, a Aedes albopictus-, tem sido a comercialização de pneus usados ​​e outros produtos artesanais da Ásia que contêm larvas do inseto transmissor.

A OMS adverte que a cada ano há entre 50 e 100 milhões de casos de dengue no mundo, e que formas graves dessa doença são atualmente a principal causa de morte em crianças em alguns países asiáticos e latino-americanos.

Essa organização também lembra que não existe vacina ou tratamento para a dengue que seja eficaz quando se trata de combater o vírus e que as terapias disponíveis sirvam apenas para aliviar os sintomas. Portanto, a única maneira de impedir a transmissão da doença é estabelecer medidas preventivas que visem impedir a reprodução do mosquito e, além disso, evitar sua picada com repelentes e mosquiteiros.

Hadyn Parry: Re-engineering mosquitos to fight disease (Setembro 2019).