Na Espanha, mais de sete milhões de pessoas sofrem de osteoartrite, uma doença reumática que, segundo os especialistas, dobrará sua incidência nos próximos anos devido, entre outras causas, ao envelhecimento progressivo da população.

O Dr. Alejandro Tejedor, encarregado de coordenar o Grupo de Reumatologia da semFYC (Sociedade Espanhola de Medicina Familiar e Comunitária), destaca que essa condição é a causa de uma em sete consultas na Atenção Básica e que afeta significativamente a qualidade da vida dos pacientes, levando a causar, nos casos mais graves, incapacidade temporária ou permanente.

O diagnóstico de osteoartrite baseia-se na observação clínica e utiliza exames de imagem como raios-x, ressonância magnética ou ultrassonografia para confirmar a lesão, que pode levar anos para se desenvolver sem sintomas, portanto pesquisas estão sendo feitas para encontrar marcadores fatores biológicos que facilitam o diagnóstico precoce da doença.

O tratamento da osteoartrite está focado em aliviar o desconforto, uma vez que ainda não há cura, mas uma terapia adequada permite que os afetados continuem com suas atividades diárias praticamente sem sofrer limitações

O tratamento desta patologia é sintomático, focado em aliviar o desconforto que provoca, uma vez que ainda não há cura, mas uma terapia adequada permite que os afetados continuem com suas atividades diárias praticamente sem sofrer limitações. De fato, especialistas acreditam que cerca de metade dos pacientes precisarão de medicamentos para melhorar os sintomas.

Existem vários medicamentos disponíveis para o tratamento da osteoartrite, como antiinflamatórios não esteroidais (que podem ser tomados em comprimidos ou aplicados localmente em creme) e analgésicos, para reduzir a dor, opioides usados ​​quando o desconforto é muito intenso e um tipo de substâncias naturais, os condroprotectores, que exercem uma ação benéfica sobre a cartilagem, retardando a progressão degenerativa nas articulações afetadas e diminuindo a dor.

Outra opção, indicada naquelas pessoas que sofrem de osteoartrite severa e para quem os tratamentos farmacológicos não serviram para controlar a dor, consiste em uma intervenção cirúrgica, reparo ou cirurgia de substituição v Há também uma alternativa cirúrgica para aqueles que sofrem de osteoartrite grave e para a qual os tratamentos farmacológicos não serviram para controlar a dor ou apresentar uma limitação importante, o que os impede ou impede de realizar atividades cotidianas ou interferir no seu repouso.

INSATISFAÇÃO COM A CIRURGIA DE PRÓTESE DE JOELHO (Setembro 2019).