A onda de frio que chega à Europa afeta a todos nós, embora a idade seja um fator determinante para percebê-la de uma forma ou de outra. O bebês Eles são mais sensíveis às mudanças de temperatura porque seu mecanismo de termorregulação não amadureceu e ainda não funciona adequadamente. Com a idade, esse mecanismo, que serve para adaptar a temperatura corporal às mudanças que ocorrem no ambiente, sofre alterações e, por esse motivo, pessoas maiores, especialmente a partir dos 75 anos, são mais vulneráveis ​​a legal e calor intenso, e são mais afetados por mudanças bruscas de temperatura.

Uma das consequências do envelhecimento é que o corpo perde calor facilmente e tem mais dificuldade em gerá-lo. O resfriado, além disso, pode agravar os problemas de saúde que os idosos costumam sofrer, como distúrbios do sistema circulatório, além de aumentar a frequência e a intensidade das infecções respiratórias nesse grupo. Os vasos sanguíneos se contraem e a circulação sanguínea diminui, o que aumenta as chances de sofrer um ataque cardíaco ou derrame. Levado ao extremo, uma proteção inadequada contra o frio pode causar um problema sério: o hipotermia, que pode ser mortal.

Uma das conseqüências do envelhecimento é que o corpo perde calor facilmente e tem mais dificuldade em gerá-lo.

Portanto, a Sociedade Espanhola de Geriatria e Gerontologia (SEGG) divulgou uma série de dicas para evitar que as baixas temperaturas que se esperam hoje em dia causem problemas para esse grupo populacional:

Em casa, a temperatura mínima será de 21ºC. No inverno, numerosos acidentes ocorrem por inalação de monóxido de carbono e até incêndios em casa, usando certos sistemas de aquecimento. No caso dos idosos, especialmente se eles vivem sozinhos ou sofrem de alguma patologia que os limita, é necessário evitar esses riscos, e para isso os mais adequados são os radiadores elétricos.

Aumentar o consumo de alimentos que contenham carboidratos e proteínas, pois fornecem energia e evitam o álcool, que produz uma falsa sensação de calor, aumentando a dilatação dos vasos sanguíneos, calor que é facilmente perdido mais tarde devido à vasodilatação cutânea. No inverno, você costuma ter menos sede, portanto, não se esqueça de se hidratar ingerindo uma quantidade adequada de líquidos.

É necessário permanecer ativo durante todo o ano, mas quando as condições climáticas são adversas (muito vento, chuva, gelo ou neve), é preciso tomar precauções para evitar quedas. É melhor não sair e, no caso de ser essencial, fazê-lo com calçado adequado e durante o dia.

No inverno, você também precisa prestar mais atenção às roupas. É melhor colocar várias camadas, que podem ser facilmente removidas ao acessar lugares onde a temperatura é maior. Os pés e a garganta devem estar bem embrulhados, e um chapéu ou capuz deve ser usado para a cabeça, porque um quarto do calor do corpo escapa através dele.

Fonte: Sociedade Espanhola de Geriatria e Gerontologia (SEGG)

7 dicas para sua mangueira produzir MANGAS até em vasos (Outubro 2019).