A acupuntura tem a capacidade de estimular a liberação de uma série de substâncias orgânicas, como endorfina ou encefalina, que possuem propriedades opióides que permitem inibir e regular a sensação de dor, como explica o Dr. José Enrique Calderón, membro do serviço de Anestesiologia. e Unidade de Dor do Hospital Puerta del Mar, em Cádiz, que afirma que muitos hospitais usam atualmente esta técnica para tratar dor aguda ou crônica.

Essa antiga técnica oriental consiste em inserir agulhas muito finas em certos pontos do corpo, conhecidas como 'pontos de acupuntura', e baseia-se na concepção de que o corpo humano é formado por uma rede de pontos interconectados pelos quais flui. energia e, quando esta energia fica estagnada ou seu avanço é retardado, a dor ocorre. Se o obstáculo for eliminado, a dor será aliviada.

Antes de iniciar uma terapia com acupuntura, é necessário diagnosticar o problema do paciente para determinar qual é o tratamento mais eficaz em cada caso. Além disso, o especialista adverte que nem sempre coincide o ponto onde a agulha é inserida com a área do corpo onde a dor aparece, e dá como exemplo que, para aliviar a dor no pescoço, é possível escolher, entre outras áreas, a mão do paciente

É especialmente eficaz no tratamento da dor lombar, dor pós-operatória, fibromialgia e dor neuropática e musculoesquelética

A acupuntura é particularmente eficaz no tratamento de dor lombar, desconforto causado por fibromialgia e intervenções cirúrgicas, dor neuropática e dor musculoesquelética, mas não é recomendado o uso em pacientes com distúrbios psíquicos, naqueles que devem ser tratados com cirurgia ou naqueles que apresentam algum tipo de lesão ou infecção no local da punção.

Calderón indicou que é uma técnica muito segura que, embora possa produzir efeitos colaterais como a náusea intensa, uma forte reação emocional ou piora dos sintomas, isso geralmente ocorre em menos de dois em cada 1.000 tratamentos e, por outro lado, nenhum caso grave é conhecido.

Fonte: EUROPA PRESS

Como Tratar Dores no Corpo Sem Remédios (Setembro 2019).