Especialistas alertam que crianças que passam muito tempo brincando com videogames podem acabar se isolando socialmente, porque ao invés de interagir com outras pessoas, e especialmente com crianças da mesma idade, elas se acostumam a interagir com consoles e computadores.

Conforme explica Abel Domínguez, psicólogo clínico especialista em crianças da Escola Oficial de Psicólogos (COP), os pais devem estabelecer o tempo que a criança dedica a este passatempo e controlar o conteúdo dos jogos, que não devem ser violentos.

Os pais devem estabelecer o tempo que a criança dedica a esse hobby e controlar o conteúdo dos videogames, que não devem ser violentos

Na opinião deste especialista, videogames também podem ser positivos e considerados como prêmio, o importante é tomar medidas para que não sejam utilizadas de forma inadequada, não interfiram em outras atividades da criança, como dever de casa, e não se envolvam de tal forma ao menor que perde o interesse de brincar com seus amigos, porque isso poderia afetar sua sociabilidade.

Pedro Marcet, diretor pedagógico da Fundação Marcet, aponta que os menores já preferem o computador e o console antes da televisão e do cinema, e acrescenta que é necessário que os pais supervisionem as atividades de seus filhos, já que há crianças que se dedicam até três e quatro horas por dia para jogos interativos.

Este especialista recomenda que as crianças pratiquem um esporte coletivo desde tenra idade, porque isso lhes permite relacionar-se e socializar, e incute valores como esforço e colaboração de equipe.

What separates us from chimpanzees? | Jane Goodall (Setembro 2019).