Um exame de sangue para detectar os níveis de certos hormônios pode ser usado para prever o risco de uma mulher desenvolver câncer de mama, até 20 anos antes que as primeiras manifestações da doença apareçam.

Uma equipe de pesquisadores do Hospital Brigham & Women, em Boston, e da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard (Estados Unidos), desenvolveu um novo teste que detectará as possibilidades que uma mulher tem de sofrer com esse tipo de tumor, verificando os níveis no seu sangue de estradiol - hormônio sexual feminino, testosterona e Dehidroepiandrosterona (DHEAS), que é um hormônio secretado pelas glândulas supra-renais.

Mulheres com altos níveis de estradiol, testosterona e DHEA tiveram entre 50% e 107% mais chances de desenvolver câncer de mama

Os cientistas conduziram um estudo no qual coletaram amostras de sangue em 800 com câncer de mama e em 1.600 saudáveis ​​para comparar os dados obtidos em ambos os grupos. Os pacientes com câncer de mama que participaram do estudo já haviam passado da menopausa e não realizaram terapia de reposição hormonal.

Os resultados da pesquisa revelaram que as mulheres que tinham altos níveis de estradiol, testosterona e DHEAS eram 50 a 107 por cento mais propensos a desenvolver câncer de mama do que aqueles com níveis mais baixos desses hormônios. Observou-se também que as mulheres com os maiores níveis hormonais foram as que desenvolveram a forma mais agressiva da neoplasia e apresentaram maior risco de recorrência e até de morrer por causa disso.

Os autores do estudo explicaram que é possível detectar esses níveis hormonais em uma amostra de sangue até 20 anos antes que os primeiros sintomas do câncer de mama apareçam, para que a análise possa servir, juntamente com outros fatores de risco para predizer o câncer de mama. Possibilidades de uma mulher sofrer da doença e, desta forma, um controle mais rigoroso pode ser feito, facilitando o diagnóstico precoce.

Teste poderá prever reincidência do câncer de mama (Setembro 2019).