Um problema que os cientistas encontram ao desenvolver uma vacina capaz de combater todas as vírus da gripe é que este vírus é caracterizado por mutação fácil e dando origem a novas cepas da doença invulnerável ao tratamento profilático que são transmitidas rapidamente.

Para combater eficazmente o vírus é necessário atacar suas estruturas internas que, diferentemente das externas, dificilmente sofrem modificações e estas ocorrem muito lentamente. No Reino Unido, um grupo de cientistas das universidades de Southampton e Oxford, com a colaboração da empresa Retroscreen Virology, descobriu alguns peptídeos presentes nessas estruturas internas do vírus que praticamente não mudam, de modo que um medicação Agir contra eles protegeria contra todas as possíveis variantes da gripe, da gripe sazonal a cepas mais perigosas, como a gripe aviária.

Uma vacina que atua contra peptídeos presentes nas estruturas internas do vírus influenza, que praticamente não se alteram, poderia proteger contra todas as variantes possíveis da doença.

Os pesquisadores conduziram um estudo no qual isolaram 41 pessoas que estavam previamente saudáveis ​​e inocularam várias cepas do vírus da influenza, depois coletaram amostras de sangue e observaram como elas defendiam a infecção do sistema imunológico. Eles então verificaram que as células T, que fazem parte do sistema imunológico do corpo, estavam combatendo os peptídeos descobertos nas estruturas internas do vírus da influenza, e que quanto mais células T um indivíduo melhor tinha, mais defensiva era sua resposta à doença.

Os autores do estudo, que foi publicado em Medicina naturalConcluímos que, para alcançar uma imunoterapia eficaz contra a gripe, os esforços devem ser concentrados em obter uma vacina capaz de aumentar o nível das células T no organismo, porque os peptídeos que combatem essas células são comuns às diferentes cepas da gripe e, desta Desta forma, a proteção universal seria alcançada.

Seth Berkley: HIV and flu -- the vaccine strategy (Setembro 2019).