Um grupo de cientistas do Instituto de Saúde Carlos III, trabalhando para o Centro de Pesquisa em Doenças Tropicais (RICET) deste centro, identificou biomarcadores que nos permitem observar como Doença de chagas aos órgãos do paciente (em cada pessoa a evolução é diferente) para determinar quando o tratamento deve ser estabelecido, bem como para detectar variações na quantidade de anticorpos presente no sangue dos afetados, para verificar se o tratamento é efetivo ou não.

A doença de Chagas é uma patologia causada por um parasita, Trypanosoma cruzi, que é endêmica em certas áreas da América do Sul, e é caracterizada por ser assintomática por muitos anos, o que dificulta seu diagnóstico e tratamento. A longo prazo, pode causar sérios danos ao coração e alterações no sistema digestivo, entre outros distúrbios. Ela afeta cerca de 15 milhões de pessoas no mundo e, em nosso país, pode ultrapassar 60.000 afetados, pois os emigrantes da América Latina podem ser portadores do parasita e, além disso, pacientes grávidas o transmitem para seus pais. bebês.

Os novos biomarcadores permitem detectar o nível de anticorpos na doença, tanto para identificar pacientes suscetíveis a receber tratamento quanto para verificar se os medicamentos atingiram seu objetivo.

O principal problema colocado pelo manejo dessa doença é que é impossível ao médico saber se o parasita está latente no momento do diagnóstico ou se já está causando danos aos tecidos do paciente. Além disso, as drogas usadas atualmente para tratar essa condição são tóxicas e têm inúmeros efeitos colaterais, e o médico não tem mecanismos para descobrir se o tratamento está se mostrando eficaz.

Com os biomarcadores descobertos graças à pesquisa de cientistas espanhóis, cujos dados já foram publicados em Imunologia Clínica e Vacina e Doenças Infecciosas BMC, o nível de anticorpos para a doença pode ser detectado, tanto para identificar pacientes suscetíveis a receber tratamento, para evitar a administração de medicamentos àqueles que não precisam, quanto para verificar se os medicamentos atingiram seu objetivo e a doença está remetendo.

Agora é necessário desenvolver um sistema que permita o uso desses biomarcadores em pacientes e, através de uma simples análise, determinar o nível de anticorpos no sangue, para selecionar pacientes que necessitam de tratamento, o que ajudaria a minimizar os danos causados ​​pelo biomarcador. Doença de Chagas a longo prazo, diminuindo também os custos com a saúde, além de deter a disseminação dessa doença e impedir sua transmissão de mães para filhos.

Planta do cerrado é nova aliada no tratamento da doença de Chagas (Setembro 2019).