O tabagismo é o principal fator de risco para o desenvolvimento de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Especialistas estimam que um em cada quatro fumantes sofrerá com esta doença durante toda a vida e alertam que o tabagismo passivo também representa um risco.

Em 17 de novembro, o Dia Mundial da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), responsável pela morte de 50 pessoas por dia na Espanha, segundo dados incluídos na monografia "Atualizações na DPOC", apresentada no Hospital Gregorio Marañón (Madri) pela NeumoMadrid e pela AstraZeneca por ocasião deste evento.

O evento é comemorado desta vez no âmbito do ano do pulmão, que visa sensibilizar a população e os governos para a importância das doenças respiratórias. Quanto ao tema escolhido, "Meça a sua saúde pulmonar - Pergunte ao seu médico sobre um teste chamado espirometria", serve para realçar a eficácia da espirometria para obter um diagnóstico precoce, por isso os médicos recomendam a todos os fumantes mais de 40 anos de idade.

A DPOC é uma doença respiratória que leva entre 15 e 20 anos para se desenvolver e está fortemente ligada ao uso do tabaco, então os pneumologistas acreditam que a nova lei antitabaco, que entra em vigor em janeiro de 2011, será benéfica a longo prazo. prazo para parar o progresso desta patologia.

Atualmente, um em cada quatro fumantes desenvolve a doença durante suas vidas, e especialistas dizem que a exposição ao fumo passivo, no caso de fumantes passivos, também significa um aumento do risco de DPOC.

De acordo com o estudo EPISCAN, conduzido pela Sociedade Espanhola de Pneumologia e Cirurgia Torácica (SEPAR), o tipo de paciente com DPOC em nosso país é agora mais jovem, cerca de 50 anos no momento do diagnóstico, e também aumenta a doença entre a população feminina, devido ao aumento do consumo de tabaco nas mulheres, de modo que a incidência dessa condição tende a ser igual por sexo.

Segundo o estudo, ainda há 73% dos doentes que não foram diagnosticados, em comparação com 78% há uma década. No entanto, uma vez diagnosticada a doença, o acompanhamento e o tratamento dos pacientes melhoraram acentuadamente.

✅ DEZ SINTOMAS DE DOENÇAS CARDÍACAS QUE IGNORAMOS (Outubro 2019).