O relatório do Organização Mundial do Trabalho (OIT)"Crianças em trabalhos perigosos: o que sabemos, o que devemos fazer" denuncia que, a cada minuto do mundo, uma criança trabalhadora sofre um acidente ou uma doença ou distúrbio psicológico relacionado ao seu trabalho.

Por ocasião de Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil No último domingo, esta organização pediu aos governos que tomem medidas urgentes para impedir que cerca de 115 milhões de crianças em todo o mundo realizem tarefas de trabalho que são perigosas para a sua integridade física ou mental.

De acordo com os dados incluídos no relatório, embora entre 2004 e 2008 o número de crianças entre 5 e 17 anos de idade envolvidas em trabalho perigoso tenha diminuído, o número de menores entre 15 e 17 anos nesta situação aumentou 20 anos. % no mesmo período de tempo, passando de 52 para 62 milhões.

É necessário um consenso entre os trabalhadores, seus empregadores e governos para elaborar e estabelecer medidas destinadas a eliminar o trabalho infantil

O novo relatório recomenda insistir em esforços para garantir a educação obrigatória para todas as crianças, pelo menos até que atinjam a idade mínima legal para começar a trabalhar, e insta os governos a elaborar uma lista de trabalhos considerados perigosos.

Aponta também a necessidade de cuidar de crianças que atingiram a idade mínima para o trabalho, mas que estão em risco no local de trabalho, pois, em sua opinião, devem estar preparadas para que possam assumir corretamente os riscos, direitos e responsabilidades. associados à sua atividade de trabalho.

O relatório acrescenta que a exposição a situações perigosas tem um impacto especialmente significativo sobre as crianças, porque elas ainda estão se desenvolvendo, tanto física quanto mentalmente, mesmo durante a adolescência. Além disso, enfatiza que o problema da presença de crianças em trabalho perigoso não se limita aos países em desenvolvimento, porque há "evidências" nos Estados Unidos e na Europa da grande suscetibilidade dos jovens a sofrer acidentes no local de trabalho. .

Juan Somavia, diretor geral da OIT, explicou que é necessário um consenso entre os trabalhadores, seus empregadores e governos para planejar e estabelecer medidas destinadas a suprimir o trabalho infantil.

A OIT publicou um Relatório Global sobre o Trabalho Infantil no ano passado, no qual destacou que os esforços para combater as condições mais difíceis do trabalho infantil estavam diminuindo e que a atual crise econômica pode impedir a implementação das ações necessárias. para alcançar o objetivo de ser finalmente erradicado em 2016.

Fonte: EUROPA PRESS

CUIDEI DO HULK NA NETOLAND !! (Setembro 2019).